A solidão da mulher preta

Já ouvi de várias mulheres negras que só descobriram o racismo quando saíram de seus bairros, de suas comunidades. E isso afetou o jeito que passaram a ver o mundo. A alegria de cantar com os familiares e vizinhos, as trocas entre as famílias,  deram lugar ao recolhimento, experimentando uma visibilidade culpada.

Muitas que conseguiram entrar no mercado de trabalho conseguiram vencer, com muita luta uma parte considerável do tratamento dispensando para as mulheres negras.

Li uma matéria de relato de mulheres que contavam como eram excluídas no mercado do amor. Se fossem negras com traços brancos tinham maior facilidade de  serem escolhidas. As consideradas feias, definidas pelos padrões sociais, tinham dificuldades de iniciar relacionamentos. E as gordas, nem cogitavam competir.

 Mas, há as que conseguem erguer-se. Muitas ajudadas por outras mulheres.

É o  caso da  psicóloga e consultora Andreia Mazarem. Com a presença afetiva da mãe, Helenita, da professora Valéria nos primeiros anos da escola e da avó, dona Morena ela foi criando capacidade de resiliência e manteve em dia a autoestima, a coragem de lutar. Como  faz até hoje. Vale a pena saber mais vendo este vídeo:

Compartilhe este Post

Deixe um comentário

você também pode gostar

mulher

Mulher é um assunto com altos e baixos

Céu e inferno convivem, mas nem sempre com empatia. Somos capazes de odiar. E podemos odiar com amor. E amar é verbo que dobra a esquina e pode encontrar a mais profunda raiva. Um bicho que sente dor e levanta para alimentar outros bichos é o que? Uma mulher. Uma terrível e maravilhosa mulher.

Leia mais »